Segundo ele, planejar as janelas voltadas para a face norte é fundamental para manter a temperatura ideal nos ambientes. “Assim, o sol entra na morada e aquece os cômodos”, comenta o profissional. Em regiões muito frias, é importante evitar o uso panos de vidro com grandes proporções. “O material tem baixa inércia térmica e não retém o calor”, alerta a arquiteta Marina Dubal.

Instalar isolantes térmicos é outra alternativa recomendada durante o período de obra. “Existem coberturas e subcoberturas térmicas, que são sempre bem-vindas”, sugere a arquiteta Andréa Parreira. Piloni indica a substituição de telhas metálicas simples ou de amianto por modelos tipo sanduíche. “Se instalado no forro, o gesso acartonado também cria uma camada de ar entre a cobertura e o piso”, diz o arquiteto.

Nas paredes, a sugestão é usar lã de vidro. “Solução que contribui para a temperatura e também para a o isolamento acústico”, afirma Andréa. O investimento em soluções térmicas é considerável e representa quase 15% do valor total da obra, mas oferece benefícios que podem ser percebidos no futuro. “Os gastos com climatizadores e, consequentemente, com a conta de luz diminui”, conta Piloni.

Também há maneiras de barrar a entrada do frio se o lar estiver em reforma. “A especificação correta dos materiais de revestimento é crucial”, explica Marina. Para a área interna, os mais recomendados são assoalhos e painéis de madeira. “Os pisos laminados e de PVC, que são opções mais em conta, também são boas soluções. Em locais bem gelados, vale ainda instalar um sistema de aquecimento no piso”, afirma. Durante o quebra-quebra, vale apostar em outra solução simples e barata: descascar aquela parede antiga e deixar os tijolos aparentes. “O material não deixa o calor escapar com facilidade”, afirma Piloni.

Casa pronta e aquecida

Aquecedores são parceiros do conforto térmico, mas podem se transformar em verdadeiros vilões se não forem instalados e usados corretamente. “O cálculo da área deve ser feito por profissionais capacitados. Só assim, a máquina será capaz de atender a todas as necessidades dos clientes. Procurar uma loja especializada é a melhor maneira de obter o produto correto para cada tipo de ambiente”, explica Piloni.

Os modelos movidos a óleo, de acordo com Andréa, são perfeitos para espaços fechados, pois aquecem sem produzir ruído e qualquer tipo de cheiro. “Para locais abertos, os a gás são recomendados por atingirem um diâmetro de até 5 metros”, ressalta Andréa.

A lareira também é um recurso recorrente na casa de quem não gosta de frio. Atualmente, existem modelos convencionais (a lenha), a gás e até elétricos. Mas antes de optar por um deles, vale lembrar que a ferramenta demanda cuidados (antes e depois da construção). “Saber mantê-la é fundamental”, comenta Marina.